quinta-feira, 14 de novembro de 2013

CELORICO DA BEIRA

Vila portuguesa com 4.600 habitantes situada na Beira, sendo o concelho mais a norte da Serra da Estrela.

O recinto do Castelo mostra evidências da importância estratégica que teve esta localidade na defesa contra os ataques de Castela. De resto, juntamente com o de Linhares da Beira, o castelo de Celorico assumiu um relevo particular em toda a estratégia defensiva do território da Beira. 

Foi o rei D. Afonso I que atribuiu o primeiro foral tendo sido confirmado por D. Afonso II em 1217. A categoria de vila e o foral novo foram assinados por D. Manuel I em 1512. 

A comunidade judaica de Celorico da Beira na Alta Idade Média tinha um aglomerado judaico muito pequeno, e pouco expressivo, acontecendo aqui como noutras pequenas vilas e aldeias da época, a miscigenaçom entre as comunidades, e sendo por esse motivo difícil identificar os Judeus nos documentos existentes. Mas todo se alterou com a expulsom dos Judeus dos reinos de Espanha. Foi a esta terra que muitos familiares Judeus vieram procurar a ajuda e proteçom. Destarte, existindo no início poucas dezenas de judeus, Celorico da Beira chegou no final do século XV a ter uma populaçom de 150 a 200 famílias.

Em consequência, Celorico da Beira tornou-se numha terra dum desenvolvimento comercial extraordinário por onde se escoavam os produtos agrícolas de toda a Regiom. Os membros da comuna judaica dedicavam-se muito ao artesanato. 

A onomástica refere os apelidos Barrocas, Serrano, Munhom, Levi, Cohen, Leiria ou Adida. O número máximo de habitantes da comuna deverá ter sido 150-200. 

Quanto à localizaçom da Judiaria de Celorico da Beira existem duas versões; segundo os estudos de Adriano Vasco Rodrigues, a judiaria localizar-se-ia “na zona do antigo matadouro”. No entanto, nos estudos de Manuel Ramos Oliveira, ela teria provavelmente lugar na Rua Nova, pois era a principal rua do comércio da cidade. Sabe-se contudo que esta Judiaria de Celorico da Beira foi extinta ainda no reinado de D. Manuel I.

3 comentários:

  1. Tenho lido os seus artigos , que acho muito interessantes e muito esclarecedores. Recentemente descobri, ou penso que descobri, na terra dos meus avós, travanca de lagos, junto a Oliveira do Hospital, vestígios da passagem de judeus e cristãos novos pela terra. Obviamente que precisava que tudo fosse confirmado, visto que tenho pouca experiência do assunto. Será que me poderia ajudar nesse processo?
    O artigo publicado está em http://travancacomhistoria.blogspot.pt/
    desde já agradeço
    cumprimentos
    João Duarte

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Relativamente à questom que formula, posso informar-lhe que o município ao que pertence a freguesia de Travanca de Lagos nom faz parte das judiarias/comunidades judaicas identificadas e listadas na grande obra monográfica (três volumes, um para cada século) de Maria José Pimenta Ferro Tavares intitulada Os Judeus em Portugal nos séculos XIV, XV e XVI. Além disso, assim como nom se deve entender todas as portas biseladas, janelas manuelinas, peanhas e habitações com portas destinadas a local de comércio como locais de Judeus, nem sempre a presença de marcas cruciformes deve ser entendida como a marcaçom dum espaço de ocupaçom judaica/cristã-nova.
      Dito isto, acho muito interessantes as pesquisas que realizou na sua Travanca de Lagos de origem. Contrariamente à Galiza (onde as fontes, bibliografia e centros de pesquisa nesta matéria som muito ruins), em Portugal tem a sorte de poder encaminhar as suas "descobertas" tanto para Museu luso-hebraico de Tomar quanto para o Centro de Estudos Judaicos Adriano Vasco Rodrigues de Belmonte ou, em nível académico, para a Cátedra de Estudos Sefarditas Alberto Benveniste da Universidade de Lisboa. Com certeza, lá vai encontrar algumha resposta mais concreta ao seu caso ou mesmo abrir a possibilidade de investigações posteriores.
      Finalmente, somente referir o meu agradecimento polo interesse mostrado com os artigos que venho publicando neste blogue.
      Cumprimentos.
      CAEIRO

      Eliminar
  2. Queria agradecer-lhe o encaminhamento que propôs ao meu assunto, esperando que uma ajuda especializada venha trazer luz a este assunto. O meu interesse nesta matéria prende-se com a preservação do património arquitetónico e com a história e a memória do povo de travanca. Em relação ao meu blog, leu só o último artigo ou leu os dois que se relacionam com o assunto? O armário será um armário judaico ou um qualquer? penso que isso será fulcral no assunto.
    cumprimentos
    João Duarte

    ResponderEliminar